logo

Pokémothim

Pocket Monsters: A Mensagem por Trás da Koharu!


Olá, Thunders!

Finalmente, um episódio foi dedicado à "protagonista" feminina da atual série. Ele não foi exatamente o que a maioria esperava, mas trouxe um boa reflexão para um análise interessante sobre o que a Koharu representa no novo anime e a mensagem que a personagem passou no episódio em questão.

RESUMO

Yamper acorda com o despertador da Koharu e tenta espertar a garota, recorrendo ao irmão dela, o Sota, que precisa pedir ajuda à mãe para convencê-la a se levantar para a escola, dizendo que não dará tempo de trançar o seu cabelo. Assim, após se arrumar, Koharu se junta a família para a refeição, mas precisa alimentar o Pokémon Elétrico, por ele só comer quando é ela quem bota a sua comida, mesmo que seja a mais fria com ele.

No Parque Sakuragi, Ash e Go veem alguns Pokémon do segundo temerem a interação com Dragonite, mas o primeiro pede para o amigo ter calma e logo observam o dragão abraçar Scyther e Stantler. Em contrapartida, Taillow ataca os Wurmple, de modo que os 3 evoluem para Cascoon como forma de proteção, mas desapontam o treinador que queria pelo menos um Silcoon.

Um apagão no laboratório faz Renji ir checar o que houve no porão, onde ele e Françoise, seu Magnemite, são atacados por um Gengar. Enquanto isso, ao lado de fora, Koharu se despede do seu pai e do Yamper, mostrando pouca animação para ver os novos Pokémon do Ash e do Go, mais preocupada em chegar cedo à escola. O garoto de Pallet questiona se ela não se interessa pelos monstrinhos, recebendo a resposta de que antes demonstrava mais interesse, mas hoje interage de forma mais fria com eles.

O Professor Sakuragi e Kikuna são levados pelo Françoise até o Renji e descobrem que ele foi machucado pelo Gengar, que logo vai para onde os dois garotos estão e é atacado pelo Yamper. O Pokémon demonstra querer continuar a batalha, mas quem enfrenta o do tipo Fantasma é Pikachu, que o faz fugir depois de acertar um Choque do Trovão.

No colégio, a professora da Koharu propõe que os alunos falem sobre os seus sonhos, mas, na vez da garota, muitos colegas afirmam que ela certamente será uma Professora Pokémon e que tem muitos deles em casa, mas, ao negar, parece surpreender a todos, sendo questionado se ela os odeia, porém, diz que não, apesar também não os adorar.

Durante o intervalo, a mãe da Koharu leva para ela o almoço que havia esquecido, por isso aproveita para falar como se sente confusa sobre o seu futuro e como as pessoas decidem por ela com base na profissão do seu pai. Assim, pergunta a sua mãe quando ela decidiu virar uma ilustradora. Yoshino conta que desde o tempo do colégio queria ser mangaká, mas não conseguiu mesmo com muita prática, por isso pensou em desistir. Contudo, ainda jovem, recebeu apoio do Sakuragi para que não desistisse dos seus sonhos. Dessa forma, conclui que o fato de se divertir com o que fazia foi o que a fez entender que se tratava do seu sonho e o mesmo ocorrerá com a filha quando for a hora certa.

Em uma competição para capturar Gengar, Go tenta acertar algumas Pokébolas, e Ash derrotá-lo, mas nenhum dos dois consegue por o Pokémon fugir novamente. Depois que Koharu chega da escola, o do tipo Fantasma/Venenoso lança um ataque em sua direção, mas Yamper usa seu próprio corpo para protegê-la. Os dois treinadores chegam a tempo de intervirem no próximo movimento, mas são paralisados pelo adversário.

Yamper se solta dos braços da garota, e o Professor Sakuragi manda que use o Faísca, mas o Elétrico não obedece. O pai da Koharu a faz perceber que o Pokémon tenta protegê-la e que só a escuta, então, ela pede que use o ataque e assim é feito, de modo que Gengar é atingido e expulso do laboratório.

De noite, os pais da Koharu a observam deitar com Yamper ao seu lado e mais próxima do Pokémon. Ao mesmo tempo, Ash e Go dizem que irão continuar a disputa para verem quem pega o Gengar na próxima vez que o virem, sem que saibam que ele está logo acima, no topo do laboratório.


DEBATE

Até então, a Koharu tem sido a protagonista feminina mais apagada do anime, tanto que, talvez, nem deva ser considerada uma, pois até mesmo o Professor Sakuragi parece ter mais participação do que ela. Isso é um problema enorme, pois torna mais difícil que o público feminino se sinta representado na história e, consequentemente, seja atraído para ela. Apesar disso, esse episódio trouxe a possibilidade de a personagem começar a ser desenvolvida futuramente, ainda que possa demorar um pouco.

No início do episódio, uma analogia muito divertida é feita entre Yamper e os cachorros da vida real, os quais sempre têm mais proximidade com um membro específico da família. Nesse caso não foi diferente, seguindo a ordem do que possui mais para o que possui menos afeto: Koharu, Yoshino, Sota e Sakuragi. Esse é um detalhe muito importante, sobretudo no final, pois Yamper é um grande ponto de mudança da Koharu. Então, foi uma bela analogia que também se mostrou de grande importância posteriormente.

Ainda sobre detalhes mostrados no meio familiar da Koharu, existe a sua relação com a família. A interação da garota com o seu irmão não parece ser muito distinta de outras já mostradas no anime. Contudo, a relação com a sua mãe, mesmo que em pouco tempo, foi mostrada como muito forte e bela. De forma geral, as mães dos protagonistas da animação são muito cuidadosas e dão conselhos importantes e decisivos, às vezes, chegando a ser grandes inspirações. Porém, Yoshino aparentou ter uma amizade forte com a sua filha, é mais do que um comum relacionamento maternal-filial, o que traz uma boa ideia de família e confiança para os telespectadores.

Sob a ideia de originalidade, Koharu trouxe algo muito novo para os protagonistas, o não interesse pelos Pokémon. Como a própria personagem fala, não é como se ela os odiasse, apenas não os ama como a maioria espera de alguém que vive nesse mundo. Algo semelhante houve com a May, mas as causas eram diferentes e a discussão a respeito disso parecia menos presente na cabeça da coordenadora. O Ash mesmo chega a perguntar se ela não gosta dos monstrinhos, mas o Go responde sabiamente que não é bem assim, a garota somente não possui esse encanto, e tudo bem, vai muito da personalidade mais reservada dela.

Diante disso, foi apresentada a frustração da personagem que, por ser filha de um professor, esse preconceito criado sobre ela se torna ainda mais intenso. Todos esperam que ela ame Pokémon, que goste de batalhas, que tenha capturado muitos deles. Então, Koharu se sente pressionada a se tornar algo que ela não sabe se quer ser, as pessoas decidem por ela. Nesse ponto, a semelhança se dá com a Serena, que era cobrada para seguir o mesmo caminho que a mãe, mas a enfrentou e divergiu dos interesses dela. A diferença agora é que não se trata do pai da Koharu a obrigar, mas sim a própria sociedade pela fama que o Sakuragi tem e o peso da sua profissão.

Com essa cobrança, que é muito real na vida de diversos adolescentes que precisam escolher o caminho profissional que irão seguir, a figura materna desempenhou um papel importantíssimo. O conselho e a história própria da Yoshino ressaltam inicialmente que se deve fazer o que gosta. Não é por dinheiro, por escolha de outro ou aleatoriamente, precisa ser aquilo que te faz feliz, pois, assim, poderá avançar com maior prazer e dedicação. Prova disso é por a personagem ser ilustradora, profissão não tão admirada por grande parte da sociedade, mas que faz muito bem a si e diverte diversas pessoas, ou seja, ela priorizou o que a agradava mais como o seu sonho. Isso sem falar da questão de destacar como não é preciso ter pressa, sobretudo por sua filha ter somente 10 anos. É uma cobrança muito grande uma criança dessa idade definir o seu futuro como foi feito por Ash e Go.

Ainda sobre a personagem, é importante destacar o seu feminismo saudável. Sem aprofundar muito a questão ideológica, muito se discute atualmente sobre feminismo e femismo, colocando em pauta a luta pela igualdade das mulheres e o extremismo que cria um rancor contra o gênero oposto. A questão é que isso foi muito bem passado pela Yoshino, a sua independência, mas sem desconsiderar o papel que o Sakuragi teve. Mesmo que tenha sido o seu marido a insistir que continuasse a jornada para ser uma mangaká, a mulher destacou que não foi por ele que fez isso. A ideia dele foi boa e admite isso, mas só a seguiu porque ela percebeu que realmente queria, partiu dela e unicamente dela a decisão de realmente voltar a tentar, por isso espera o mesmo da sua filha, que ninguém decida por ela.

Juntando o conselho dado por sua mãe e o apego do Yamper, quando chega o fim do episódio e a Koharu vê o Pokémon disposto a ir até o fim para protegê-la e precisando do seu comando para que reaja, ocorre o ponto de virada com muito simbolismo. O momento de reflexão da personagem a faz perceber como seu companheiro a considera muito mais do que o contrário, além de a fazer ter a sua primeira batalha. Depois disso, a garota se torna mais recíproca e isso é representado de forma muito nítida com a diferença da dormida do Yamper, que no início era em um colchãozinho no chão, mas passou a ser ao seu lado na cama.

Certo, a Koharu traz inovação, representações, simbolismos, mas qual será o sonho dela? As possibilidades são infinitas. Um ponto a ser evidenciado é que Yamper mostrou gostar de batalhas, mas ainda é muito vago. A maioria aposta que ela seguirá algo como ser uma coordenadora, ou uma profissão semelhante, mais considerada como "feminina", mas ela não precisa ficar em um padrão, não seria o primeiro que a personagem rompeu. Além disso, depois que a sua mãe foi mostrada como uma mangaká, seria genial se Koharu seguisse um sonho mais próximo de um como esse, que é feito pelas pessoas na vida real. Só seria interessante que o anime trabalhasse bem isso, independente se exija ou não bastante conexão com os Pokémon. Muitas possibilidades e muito potencial para essa garota!


CONCLUSÃO

Ainda que necessite de mais destaque, Koharu é uma personagem muito rica e cheia de significados por trás. Não somente porque faz parte de um mundo no qual não se sente incluída, por ser diferente dos demais, mas por ser uma garota com dúvidas, que está tentando se encontrar, que gosta de conversar com a mãe e tentar entender as suas próprias ideologias e opiniões. Trata-se de um alguém muito humano e, por isso, é muito fácil de se sentir representado por ela, independente do gênero. Escolher um objetivo, um sonho para se seguir, uma profissão, costuma ser algo complicado para alguns, afinal, é a sua vida. Então, acho que a menina é muito fiel ao propósito que aparenta ter.

Acompanhar a relação da Koharu com a sua família é muito interessante, sobretudo com a sua mãe que parece ser uma mulher muito certa do seu potencial e do seu poder de escolha, sem que deixe de ser gentil e atenciosa por isso. Quanto ao Yamper, é adorável notar como ele ama a treinadora e é responsável por trazê-la para o mundo em que vive, conectá-la com os demais. Torna-se um laço muito especial e admirável.

Então, Koharu é uma personagem que sofre pressão e que vê as pessoas decidirem a vida por ela, sentindo a necessidade de amar os Pokémon, sendo que isso precisa ocorrer naturalmente. Ao longo do episódio, a garota percebe que partirá exclusivamente dela a decisão de escolher o seu sonho e de se aproximar ou não de outros Pokémon. Por isso, aguardemos um desenvolvimento digno para essa personagem!


Leia Também:

Sobre Ersj
19 anos, Recife-PE, tem Pokémon como a sua franquia preferida desde os 7 anos. Sua mídia favorita é o anime, seguida dos jogos da saga principal e de Pokémon Go. Ama livros e séries, principalmente de fantasia; os filmes que mais assiste são animações, e “Imagine Dragons” é a banda pela qual tem maior apreço. Seu Pokémon predileto é o Pikachu e seu maior sonho é se tornar um escritor.
E-mail: ersj@pokemothim.net

11 comentários:

  1. Johnny Edwin Da Cunha Cruz27/04/2020 13:20

    Esse episódio se assemelha ao último do Boruto, onde já queriam que a Himawari se torna-se uma ninja mas, no final, falou que queria aprender sobre várias profissões antes de tomar a sua decisão. Pelo visto, ela e a Koharu seguirão carreiras diferentes das do habitual em seus mundos.

    ResponderExcluir
  2. Não acompanho Boruto, mas, pelo que disse, ficou bem parecido mesmo. E acho que é exatamente isso, julgo ser até mais interessantes que personagens desse tipo não se tornem o que é mais esperado e habitual, isso traz novidades para os animes. A questão é só aquilo que disse, é importante que eles queiram desenvolver isso. Não é porque a Koharu não será uma coordenadora ou criadora, por exemplo, que eles devem deixar ela sem evolução do seu sonho.
    Obrigado por comentar!!

    ResponderExcluir
  3. Koharu, uma personagem muito necessária e inovadora para a série, e será interessante acompanha-la.
    Muito curioso para saber o que será desenvolvido para ela e quando será que irão coloca-lá com uma protagonista definitiva.

    ResponderExcluir
  4. Ótima review.👏🍦

    ResponderExcluir
  5. Penso o mesmo! Estou ansioso por um desenvolvimento por parte dela. Gosto de ver o progresso dos companheiros de viagem do Ash.
    Obrigado por comentar!

    ResponderExcluir
  6. Muito obrigado pelo elogio e pelo comentário!! ^-^

    ResponderExcluir
  7. Thiago Wilker30/04/2020 16:38

    Até agora está sendo uma inútil, não soma nada no anime. Espero que desenvolvam melhor no desenrolar do anime.

    ResponderExcluir
  8. Acredito que o único papel relevante dela tenha sido nesse episódio, por passar essa mensagem, mas realmente não tem feito muita coisa. Quem sabe não passa a ter mais participação depois?

    ResponderExcluir
  9. Koharu é uma personagem muito bem desenhada e sinto que ela é meio diferente das demais sabe? sinto que ela vai surpreender e começar a gostar de pokemon, tanto que no encerramento atual parece que ela vai pegar mais dois pokemon.

    ResponderExcluir
  10. Eu sinto o mesmo!!
    Obrigado por deixar o seu comentário! ^-^

    ResponderExcluir

Seu comentário será publicado após ser aprovado pela moderação.
Agradecemos a sua participação!

A Pokémothim com a sua cara!

Personalize do seu jeito!

Temas

Padrão

Fechar