logo

Pokémothim

Pocket Monsters: O Arco de Sword & Shield!


Olá, Thunders!

Mais cedo do que o esperado, o arco principal de Sword & Shield foi adaptado para o anime e rendeu muita ansiedade por parte dos fãs! Entre euforia, surpresas e divergências, os quatro episódios certamente se tornaram marcantes para as aventuras de Ash e Goh, por isso o convido a acompanhar a análise geral de todos os acontecimentos. Sim, essa postagem será gigante, mas tentarei ser o mais resumido possível. Boa leitura, caro leitor! 


RESUMO

Enquanto o presidente da Macro Cosmos, Rossi, e sua assistente Oleana descobrem que as partículas Galar coletadas escaparam do hangar da Usina Elétrica de Galar, sobrecarregando o aparelho que criaram; Ash e Goh se preparam para dormir no Laboratório Cerejeira, mas o treinador de Pallet percebe que o seu Bracelete Dinamax está brilhando. No dia seguinte, os garotos vão até o professor, debatendo sobre os mistérios por trás do fenômeno Dinamax, os possíveis motivos para os Pokémon conseguirem ficar gigantes e os locais limitados onde pode ocorrer: ginásios e na Área Selvagem. Chrysa e Ren aproveitam para relatar sobre recentes casos ocorrendo misteriosamente em cantos fora do padrão por Galar, o que pode ter associação com o brilho no bracelete do Ash. Assim, os heróis são enviados à região para investigarem o acontecido.

Depois de o avião pousar, os garotos seguem de trem para Wedgehurst, sob a missão de encontrarem a Professora Magnólia, maior pesquisadora do Dinamax. Contudo, uma névoa espessa mais à frente leva o veículo a fazer uma pausa, deixando as portas abertas para a ventilação. Nesse instante, um Bunnelby surge e pega um dos Scones que Ash havia comprado. Após ter os seus detalhes checados na Pokédex, o Pokémon foge e é seguido pelos garotos, que adentram a Floresta Adormecida para encontrá-lo. Em meio às árvores, os treinadores são atrapalhados pela névoa, mas Goh continua a seguir o coelho e o captura. Perdido do seu amigo, Ash e Pikachu encontram um Pokémon estranho e descobrem se tratar de uma espécie nova assim que o Rotom Fone não consegue identificá-lo, pouco antes de serem atacados pela fera.

Paralelamente; Goh, Raboot e Sobble encontram outro Pokémon não identificado pelo Rotom Fone, o qual também os ataca. Ao tentarem batalhar, e também capturar no caso do de Vermilion, os treinadores percebem que os ataques os atravessam, sem que causem efeito. Antes que pudessem continuar, a névoa se intensifica e ambas as criaturas misteriosas somem. Sendo assim, Goh inicia uma busca breve por seu amigo, mas, ao ouvir o som do trem, corre para tentar pegá-lo, cogitando que Ash já esteja lá. Sem sucesso, o treinador não consegue chegar ao meio de transporte a tempo. Por sorte, enquanto observa luzes como as do Dinamax caírem do céu, um carro para ao seu lado, de onde Sonia sai e observa o fenômeno, antes de se surpreender por reconhecer Goh. 

Por outro lado, Ash e Pikachu acordam sem entender como apagaram naquela floresta e tentam voltar para o trem, até que avistam as mesmas luzes no céu, uma das quais atinge um Centiskorch e o faz entrar na forma Gigamax, atacando a cidade e seus habitantes. Dentro de um carro, Oleana avisa ao Rossi que a segunda explosão de energia que escapou do hangar está fazendo os Pokémon ficarem gigantes e sem controle, mas o presidente diz ser inevitável para o futuro de Galar. Ash chega ao local onde Centiskorch causa destruição, estranha como ficou gigante fora dos locais possíveis, é avisado pelo seu treinador que saiu do controle e checa seus dados na Pokédex, decidindo acalmá-lo mais de perto. Ao não ser ouvido e receber um ataque, o herói decide batalhar com ajuda de Pikachu e Riolu.

A Teia Elétrica e a Onda de Vácuo não se mostram eficazes, mas Pikachu e Riolu repetem os ataques para parar o Movimento Max do tipo Inseto, com ajuda do Furacão de Dragonite. Os ataques se chocam, mas ninguém leva dano. Logo em seguida, o Pokémon Gigamax se prepara para utilizar o Centiferno G-Max, porém Dragonite pega os seus companheiros e os tira da mira do oponente, e Leon chega montado em seu Charizard, que atrapalha o adversário com uma Enterrada de Pedra. Depois de ser cumprimentado pelo garoto, o campeão decide finalizar com o Golpe de Ar, derrotando o Centiskorch Gigamax. De volta ao tamanho original, o Pokémon se mostra confuso e é acolhido por seus treinadores, enquanto Leon é exaltado pela população e promete resolver o problema dos Dinamax fora de controle. 

Quando Leon volta a montar Charizard para ir derrotar mais Pokémon gigantes e descontrolados, Ash insiste para ir junto e, com a permissão concedida, acompanha o campeão, montado em seu Dragonite, em direção ao próximo confronto. Ao mesmo tempo, Goh é levado por Sônia, de carro, em direção às ruinas de Turffield. O garoto consegue ligar para o amigo, descobrindo que está com Leon e vai ajudá-lo com os Dinamax raivosos, avisa que está acompanhado da moça que conheceram no Estádio Wyndon e que o que está acontecendo tem ligação com a lenda do herói misterioso. A chamada é interrompida por Ash e Leon se prepararem para enfrentar um Pangoro Dinamax, enquanto Goh e Sônia não percebem que o carro dela está sendo seguido por outro com um homem de terno preto. 

Na parte subterrânea da Usina Elétrica de Hammerlocke, a Equipe Rocket trabalha na área de escavação sob ordens do Giovanni. Mais acima, em Turffield, Goh e Raboot se sentem enjoados pelo modo como Sônia dirigia, mas ignoram a sensação para observarem o geoglifo da cidade, o qual relata sobre a lenda de galar, em específico os Pokémon gigantes que se espalharam e foram dominados pelo herói solitário com um escudo e uma espada. Sônia revela ter recebido a tarefa da sua avó de investigar a conexão entre a lenda e o dinamax e sugere uma semelhança entre o que houve na lenda e a situação pela qual Galar passa atualmente, por isso acredita que o Vórtice Negro que causou a Noite Negra no passado está prestes a surgir novamente. Pensando sobre, Goh recorda que Lugia surgiu de um vórtice negro, indicando que esse fenômeno se associa a Pokémon poderosos, e também se lembra do Pokémon misterioso que viu nas nuvens durante a primeira vez que foi até Galar, um possível causador do problema.

De volta ao subterrâneo, Jessie se entedia por não ver sinais do Pokémon mais forte e maligno que souberam existir ali, mas só até um grande som sair da esfera gigante acima deles, a qual continua a ser energizada e transforma mais Pokémon em Dinamax. Oleana se mostra preocupada com o descontrole, sugerindo uma pausa, mas Rossi admira a energia descontrolada e anseia pela ressureição da Noite Negra através de Eternatus, Pokémon aprisionado no globo metálico. Escondida, a Equipe Rocket descobre a localização do que procurava, e a assistente do presidente é alertada sobre Sônia e Goh, pedindo que um capanga continue a segui-los. 

Novamente no carro, Goh revela que planejava encontrar a Professora Magnólia em Wedgehurst, sendo contado por Sônia que possuem o mesmo destino e que a professora é a sua avó. Enquanto isso, após derrotarem o Pangoro Dinamax, Ash e Leon avistam um Coalossal Gigamax, com o garoto checando seus detalhes na Pokédex, e voam até ele. De volta ao automóvel, Goh observa fotos de quatro tapeçarias encontradas no cofre de Hammerlocke, onde é retratada a origem de Galar, segundo a qual dois jovens presenciam um desastre no céu, usam uma espada e um escudo para pará-lo e são coroados. Assim, Sônia diz acreditar que houve um equívoco ao longo dos anos quando a lenda foi sendo recontada, por isso a estátua em Wyndon só retrata um único herói, podendo haver mais erros, e sendo essa a chance perfeita para ela descobrir mais e se tornar uma Professora Pokémon.

Ao ser questionada pelo Goh sobre as suas motivações, Sônia conta ser por causa da sua avó, mas principalmente por conta do Leon, que é seu amigo desde a infância. Quando pequenos, amavam Pokémon e sonhavam em ser treinadores fortes, tanto que ela o ensinou sobre batalhas, mas depois da estreia do seu colega o talento natural dele ficou claro e rapidamente se tornou o campeão, sendo impossível que o derrote em um confronto. Então, Sônia pensou em trabalhar com Pokémon de uma forma diferente. 

Na batalha contra Coalossal Gigamax, o Dragapult de Leon utiliza os Dardos do Dragão, seguidos de uma Bola Sombria do Gengar do Ash. Resistente, o Pokémon gigante solta um Desabamento Max para ferir os trabalhadores, que são salvos pelo Psíquico do Fantasma do treinador de Pallet. Para finalizar, Dragapult usa a Investida do Dragão, Gengar a Bola Sombria e Pikachu o Choque do Trovão, derrotando Coalossal Gigamax e o fazendo diminuir de tamanho. Entretanto, os escavadores começam a jogar pedras no Pokémon como punição, o que faz Ash entrar na frente dele e o defender por ter perdido o controle. Repentinamente, Rossi surge parabenizando a dupla heroica, sendo apresentado pelo Leon como homem por trás de toda energia de Galar e responsável pelo seu sucesso como treinador. O presidente revela já ter ouvido falar sobre o garoto de Pallet, diz não saber o motivo dos Pokémon estarem gigantes e mostra despreocupação em relação ao futuro. Leon insiste na urgência da situação por pessoas e Pokémon estarem em perigo e decide ajudar no conserto da mina, enquanto Ash irá acompanhar Rossi em uma janta para suprir a sua fome.

Assim que chegam ao Laboratório da Professora Magnólia, Goh revela seu entusiasmo em pesquisar lendas, levando Sônia a comentar como daria um bom professor, algo que o garoto diz só ser possível depois que realizar o sonho de capturar todos os Pokémon. A mais velha também se anima pelo seu sonho, mas são interrompidos por algo que cai do céu, sendo dito por Magnólia que se trata uma Estrela dos Desejos, a qual cai para os que possuem os desejos mais sinceros. Dentro do laboratório, Goh conta que veio do Laboratório Cerejeira e que gostaria de aprender mais sobre o Dinamax. A professora revela que o fenômeno só ocorre em Galar por conta das partículas Galar, que se encontram dentro das luzes vermelhas liberadas por Pontos de Poder especiais responsáveis por colocar o poder interno dos Pokémon para fora, ativando o Dinamax. Além disso, as Estrelas dos Desejos também são capazes de atrair e juntar essas partículas, algo que Magnólia utilizou em parceria com o Presidente Rossi para controlarem a gigantificação dos Pokémon por meio do Bracelete Dinamax.

Sônia interrompe a explicação para entregar ao Goh um presente, um Bracelete Dinamax que fez para ele com a Estrela dos Desejos que viram cair, sendo mais seguro para que se aventure por Galar. Agradecido, o garoto tira mais uma dúvida, porque o Dinamax só ocorre em certas áreas, sendo dito que é por só ser possível ser realizado nos Pontos de Poder. Magnólia também revela que Rossi e ela descobriram como transformar o poder das partículas em energia, cogitando falar sobre algum problema, mas muda de assunto ao mostrar interesse pelo progresso da sua neta. Já de noite, checando a sua pesquisa, a professora elogia os pontos conectados, mas diz faltar mais detalhes, como a localização da espada e do escudo e a forma como tudo foi solucionado. Assim, Goh se anima para descobrir todos os mistérios restantes, alegrando também a Sônia.

Na Torre do Rossi, em Wyndon, Ash come acompanhado de Pikachu, da Oleana e do Rossi. O presidente fala sobre como a região o permitiu crescer e se tornar quem é, fazendo o possível com a sua influência para manter a vista da região que tanto aprecia por mil anos. Ele aproveita, então, para oferecer o seu completo apoio ao treinador de Pallet, pedindo para que o ajude a proteger o futuro de Galar. No entanto, o herói recusa por querer conhecer o mundo, novos Pokémon e se tornar forte de forma independente. Rossi se mostra compreensível, mas Oleana tenta intimidar Ash por trás do presidente. Após a janta, o garoto vai com Pikachu para o quarto e entra em contato com Goh, descobrindo que o amigo irá no dia seguinte para as ruínas de Stow-on-Side, marcando de se encontrarem lá.

Desconfiado do presidente, Leon segue até a Usina Subterrânea para descobrir o que é feito em seu interior. Na manhã seguinte, antes que Goh e Sônia partissem, Magnólia revela que quebrou a parceria com Rossi por sentir loucura em seu olhar, acreditando que está envolvido com o incidente dos Pokémon Dinamax descontrolados, por sua ambição. Por trás deles, o "espião" escuta tudo e relata a Oleana. Quando chegam a Stow-on-Side, a dupla analisa o mural da cidade com alguns rabiscos. Sem muito o que avaliar ali, decidem ir a outro local, mas são surpreendidos por um homem de termo que obriga que o sigam para que não sejam machucados, libertando um Garbodor Gigamax. Notando que o local é um Ponto de Poder, Goh recupera Raboot para a Poké Bola e o faz ficar na forma Dinamax, já acertando o Movimento Max do tipo Fogo. Porém, tentando escapar do Movimento G-Max do oponente, o coelho caiu sobre o mural e quebrou a parede, revelando estátuas por trás dele. 

Sonia percebe que as estátuas mostram dois humanos e dois Pokémon, mas a atenção se volta para o Espinho de Aço Max lançado pelo Garbodor Gigamax, que acerta Raboot. Para revidar, o coelho de Fogo utiliza o Max Knuckle e, antes que atacasse de novo, o Max Flare, acertando ambos e o derrotando. Com o inimigo amedrontado e fugindo, Raboot volta ao tamanho normal e é elogiado, e os treinadores vão até as estátuas. Mais ao Norte, Ash e Pikachu deixam a Torre do Rossi, voando em Dragonite para encontrar o amigo, enquanto as palavras do presidente sobre manter Galar assim por mil anos ecoam em sua mente. Em Stow-on-Side, Goh conta ter conhecido um Pokémon parecido com os da estátua, mas sem espada ou escudo. Ao se aproximar mais, Sônia consegue ler seus nomes em uma plaquinha: Zacian, o da espada, e Zamazenta, o do escudo. Agora, a dupla entende que quem impediu o Pokémon que simboliza a Noite Negra foram dois heróis acompanhados desses dois novos Pokémon. Mais subordinados do Rossi começam a surgir, por isso Goh e Sônia correm para o carro e seguem para a Floresta Adormecida, querendo pedir ajuda de Zacian e Zamazenta.

Em Hammerlocke, um funcionário do Rossi tenta impedir Leon de entrar na Usina Elétrica, mas o campeão diz ter sido chamado pelo presidente e segue pelo elevador. Através do Rotom Fone, Ash avisa a Goh que está indo em direção a Stow-on-Side, mas o amigo conta que saíram de lá e se dirigem para a Floresta Adormecida, descobre que o treinador de Pallet viu o outro lobo no local e atualiza ele sobre tudo o que deduziram com base nas estátuas e no geoglifo. Porém, Leon encontra a esfera onde Eternatus está preso, presenciando alguns funcionários assustados com uma sobrecarga que leva mais partículas Dinamax a se espalharem por Galar. Vendo a luz de longe, Ash identifica que vem de Hammerlocke e avisa ao amigo, decidindo ir até lá, enquanto Goh continua a caminho de Zacian e Zamazenta. 

Ouvindo os funcionários falarem sobre Eternatus tentando escapar e os planos de Rose; Leon, assim como a Equipe Rocket, presencia o Lendário destruir a esfera em que estava preso e se libertar. O campeão pede para que os cientistas o impeçam de sair dali, porém, ao notar que não parecem capazes, decide batalhar. Eternatus escapa por um buraco no teto que o leva até o ginásio local, onde os Rockets se preparam para enfrentá-lo. Os vilões tentam capturar o Lendário com uma rede gigante, mas o objeto é destruído e Meowth é atingido por um Canhão Dinamax, virando um Meowth Gigamax. Jessie e James se animam com o acontecido e pedem para que o gato use a nova forma para enfrentar Eternatus, mas, fora de controle, Meowth Gigamax começa a caçá-los, saindo do ginásio por um buraco na parede e encontrando Ash.

Na parte mais densa e nevoenta da Floresta Adormecida, Sônia puxa o seu Rotom Fone e vê imagens de Hammerlocke, onde é possível achar Ash, a Equipe Rocket e luzes vermelhas se espalhando, sendo noticiado sobre mais ataques de Pokémon gigantes, antes de os jornalistas serem atingidos por Eternatus, que é identificado pela aspirante a professora como a Noite Negra. Ela e Goh suplicam pelo apoio de Zacian e Zamazenta para que Galar seja salva. Os lobos surgem e os guiam, antes de sumirem novamente, até um altar depois da névoa, onde o garoto encontra a espada e o escudo da lenda.

Quando entra no ginásio, Dragonite é atingido por Eternatus e cai no chão, sendo recuperado para a Poké Bola. Leon surge em seu Charizard e Ash pergunta se aquele Pokémon é a Noite Negra, sendo respondido por Rossi que esse é o nome dado a ele pelos que o temiam, mas está sendo renomeado de "Eternatus", por gerar energia infinita (eterno). O Lendário tenta fugir, mas a barreira de proteção para os espectadores da plateia o impede, enquanto o presidente revela que havia descoberto que a energia da região acabaria em um futuro próximo, por isso decidiu usar as partículas de Galar, assim que descobriu que serviam como fonte energética, sendo Eternatus uma fonte ilimitada dessas partículas. Leon se irrita com o perigo libertado por Rossi e descobre que foi guiado por ele para que conseguisse capturar e controlar o Lendário. Paralelamente, na Floresta Adormecida, Goh guarda a espada e o escudo em sua mochila para partirem para Hammerlocke, acreditando que os objetos guardam algum poder oculto.   

Rossi conta que, quando pequeno, seu pai trabalhava o dia inteiro nas minas para extrair a fonte de energia que usavam e para ajudar a família, o que resultou em um acidente que tirou a sua vida. Porém, com Eternatus, não passarão mais por esses riscos e a energia ainda seria infinita, já pensando nos próximos mil anos de Galar. Leon decide aceitar a tarefa do presidente de capturar o Lendário, mas não cumprirá o motivo pelo qual foi treinado, pois somente planeja acalmá-lo para o impedir de causar mais danos. Em meio à discussão, Eternatus destrói a barreira de proteção e escapa do ginásio, ficando sobre ele e sugando todas as partículas de Galar como forma de alcançar o renascimento completo. Leon se prepara para capturar e selar o Pokémon, mas Ash é impedido de ir com ele, pois Rossi lança um Copperajah e pede para que use o Chicote Poderoso, que é parado por uma cauda de Ferro do Pikachu.

Ash pede para que Leon continue com a sua missão de capturar e selar Eternatus, enquanto assume o papel de impedir Rossi de continuar com os seus planos e de machucar Pokémon inocentes. Ferrothorn e Riolu são colocados em campo, formando uma batalha em dupla. Do lado de fora do ginásio; Jessie, James e Wobuffet continuam a fugir de Meowth Gigamax; e Goh e Sônia chegam à cidade. A aspirante a professora manda o garoto ir ajudar Ash, enquanto se mostra como oponente dos capangas do Rossi que planejavam impedir o treinador de entrar no ginásio. Contudo, Roy (Raihan) surge com Duraludon para ser o desafiante dos malfeitores. Dentro da construção, Oleana aparece como obstáculo para Goh chegar até o amigo, soltando Milotic da Poké Bola e dizendo que não deixará o presidente ser incomodado, deixando claro que foram eles por trás das perseguições o tempo todo. 

Mais Pokémon Dinamax se espalham pela região, Eternatus continua a atacar pela parte externa e superior o ginásio de Hammerlock e Magnólia observa tudo por meio da transmissão de vídeo em seu Rotom Fone. Leon chega até o Lendário, enquanto a Equipe Rocket continua fugindo de Meowth Gigamax, questionando-o sobre não seguir as ordens de Giovanni, nome que faz o gato falante recuperar a consciência e se juntar aos companheiros na tentativa de pegar Eternatus. Assim, unem-se ao campeão, que estava prestes a transformar o seu principal Pokémon em Gigamax, e o Meowth Gigamax utiliza a Corrida do Ouro G-Max. No entanto, o Lendário suga as partículas Galar da Poké Bola prestes a transformar Charizard e do Meowth Gigamax, fazendo ambos voltarem ao tamanho normal e acertando o quarteto de vilões com um Canhão Dinamax, resultando em uma decolagem.

Abaixo, dentro do ginásio, Rossi esclarece que Eternatus suga todas as partículas Galar para alcançar a sua forma final. Farto da conversa do presidente, Ash pede para que seus Pokémon usem a Palma da Força e a Cauda de Ferro, mas Ferrothorn para os ataques com a Defesa de Ferro, dando espaço para Copperajah investir com o Golpe Pesado, embora seja desviado pelos adversários. Riolu tenta executar a Palma da Força novamente, mas é bloqueado pelo corpo de Ferrothorn e quase pego por um novo Golpe Pesado, levando o seu treinador a perceber como um Pokémon é usado para defesa e outro para ataque. Sendo assim, pede para que Pikachu e Riolu invistam respectivamente com o Ataque Rápido e Time Duplo, girando cada um ao redor de um oponente. No térreo, Raboot insiste com a Brasa, mas sempre é parado pelo Pulso d'Água de Milotic, ao passo em que Oleana zomba da força do Goh e revela para o garoto que o Lendário se chama Eternatus. A batalha no topo do ginásio prossegue com Charizard errando a Garra de Dragão e sendo derrubado no chão pelo Lendário.

Para escapar da estratégia de Ash, Rossi pede para que ambos os seus Pokémon usem o Chicote Poderoso, perseguindo os oponentes, que usam isso para atraírem os dois para um mesmo ponto e acabarem atingindo um ao outro. Abaixo, Goh percebe que a Brasa continuará sem ter sucesso, optando pelo Ataque Rápido, mas Raboot insiste no primeiro movimento, de modo que o seu treinador percebe que quer ganhar com ele por ter sido o ataque que aprenderam juntos. Porém, Raboot recebe outro Pulso d'Água e se encontra prestes a ser derrotado por uma Aqua Cauda. Acima do ginásio, Eternatus usa o Canhão Dinamax, que é desviado por Charizard e Leon, mas atinge o Pikachu no andar debaixo, assim que venceria a batalha com o Choque do Trovão, e o deixa enfraquecido. Rossi aproveita para investir com o Chicote Poderoso em direção ao Ash e Pikachu, mas Riolu se joga no meio e tenta segurar os oponentes sozinho com os seus braços. Nesse instante, surge o brilho da evolução.

Para vencerem com a Brasa, Goh decide usar o ambiente ao seu favor, utilizando as paredes e o teto para atacar de diferentes ângulos. Assim, conseguem ser mais eficientes do que a Aqua Cauda e Raboot atinge uma sequência do mesmo movimento em Milotic, brilhando para evoluir. Na batalha contra Rossi, Riolu evolui para Lucario e lança os oponentes para trás, tendo seus detalhes checados pela Pokédex do seu treinador. Em seguida, Ash pede para que use a Onda de Vácuo, mas, através da aura, Lucario lhe dá um aviso, sendo pedido que utilize então duas vezes a Aura Esférica, responsável por derrotar Ferrothorn e Copperajah. Com isso, apressam-se para encontrar Leon, enquanto o presidente corre preocupado até os Pokémon desmaiados. No térreo, Raboot evolui para Cinderace e tem os seus dados checados pela Pokédex do Goh, que conta sobre o movimento Bola Incendiária, o qual é executado para derrotar Milotic. Dessa forma, a dupla pode subir no elevador para se encontrar com Ash.

Do lado externo, Roy manda Duraludon utilizar o Breaking Swipe, derrotando os quatro oponentes, que saem em fuga. O líder de ginásio avisa que chamaria Sônia para um encontro, após o seu agradecimento, mas deixará para depois devido à situação. Assim que chega à cobertura, Ash presencia Charizard acertar um Golpe de Ar em Eternatus e chama a atenção de Leon, que deduz que Rossi foi derrotado pelo garoto. Em seguida, Goh surge, e os protagonistas se admiram e parabenizam um ao outro pelas evoluções de Raboot e Riolu. Ao acertar outro Golpe de Ar com Charizard, o campeão lança uma Ultra Bola no Lendário, mas ela é destruída, liberando uma grande energia que leva Leon e seu Pokémon a usarem os próprios corpos para protegerem os garotos e as outras criaturinhas. Caídos, os heróis presenciam Eternatus atingir a sua forma completa, e Rossi e Oleana observam de dentro de um helicóptero.

Os protagonistas se preparam para enfrentar o Lendário, iniciando com Aura Esférica, Choque do Trovão e Bola Incendiária. Porém, não parecem surtir efeito algum, nem mesmo repetindo os movimentos. Por outro lado, somente com um ataque Eternatus leva todos ao chão. Ash e Goh notam a espada e o escudo, que o segundo achou na Floresta Adormecida, caídos no chão e brilhando, por isso pegam os objetos na respectiva ordem, cogitando serem as armas lendárias da lenda. Sônia chega ao local e corre para ajudar Leon, presenciando um novo ataque por parte do Lendário, que dessa vez é desviado pelos garotos. Novamente um brilho surge nos objetos, motivando os heróis a se tornarem as lendas. Leon se esforça para se juntar a eles, mas não tem forças e sua amiga de infância o impede. De qualquer forma, a atitude dos garotos desperta Zacian e Zamazenta, que chegam ao campo de batalha, protegem os treinadores e pegam, nessa ordem, a espada e o escudo. 

Os lobos Lendários passam por transformações após entrarem em contato com os objetos, encantando Sônia por notar que a espada e o escudo da lenda eram os próprios Pokémon. Sob as lamentações de Rossi, Zacian ataca com a Lâmina Gigante e Zamazenta com a Pancada Gigante, gerando mais descontrole e liberação de energia de Eternatus. Cinderace usa a Bola Incendiária, Lucario a Aura Esférica e Pikachu o Choque do Trovão, com os lobos finalizando a batalha ao repetirem os seus golpes assinatura. Goh, então, aproveita para, com ajuda de Ash, segurar a Poké Bola gigante e capturar o Lendário. Com isso, Zacian a Zamazenta voltam para as formas normais e vão embora, todos os Pokémon gigantes e descontrolados diminuem, as nuvens negras somem e a espada e o escudo voltam para as mãos de Ash e Goh. Leon e Sônia parabenizam os garotos e os denominam heróis lendários, mas os protagonistas dão os títulos a Zacian e Zamazenta. 

No dia seguinte, no Laboratório da Professora Magnólia, a própria pergunta sobre o paradeiro de Rossi, sendo informada que Leon está a sua procura. A senhora também revela que a Poké Bola com Eternatus foi colocada dentro de um cofre, embaixo da terra para ficar confinado, mas ainda sob o risco de despertar novamente, o que faz necessário pensarem em medidas de precaução. Por fim, mostra contar com o apoio da Sônia, de jaleco e recém-declarada Professora Pokémon. Paralelamente, Ash e Goh devolvem a espada e o escudo ao altar na Floresta Adormecida, agradecendo aos lobos e prometendo, no caso do primeiro, uma batalha contra Zacian; e, no caso do segundo, a captura de Zamazenta. Ao darem as costas, os Lendários surgem em forma de espectro e os observam partir. 


DEBATE

Em questão de adaptação, esse arco fez um trabalho excelente. Ainda que de forma rápida, pela pressa dos episódios, a Floresta Adormecida foi bem caracterizada, sobretudo pela questão da neblina, assim como os Pokémon Dinamax/Gigamax fora de controle, dando, por conta da fluidez da animação, até uma maior sensação de perigo. Não apenas, como também a Usina Elétrica em toda a sua composição, seja o hangar, a parte mais interna e até o cenário da batalha final; as tapeçarias; o geoglifo; o Laboratório da Professora Magnólia; Hammerlocke, a Torre do Rossi e o mural e as estátuas de Stow-on-Side. Os fãs de Galar certamente apreciaram a retratação desses locais no anime e o modo como a lenda da região foi muito bem contada.

A separação entre Ash e Goh foi interessante, e fez bastante sentido que o primeiro fosse acompanhado por Leon, o mais forte treinador do mundo, e o segundo por Sônia, pesquisadora voraz e neta da Professora Magnólia; tanto em termos de personalidade, como nas ambições de cada protagonista. O Goh teve uma incrível participação no arco: trouxe observações e lembranças de outros episódios; aprofundou-se bastante na história de Galar, desvendando toda a lenda e conseguindo achar a espada e o escudo; ganhou um Bracelete Dinamax e fez a sua primeira batalha dessa forma; e ainda não negou a ideia da Sônia de se tornar um professor, somente disse ser necessário realizar o seu sonho primeiro. Então, teve bastante desenvolvimento e um provável futuro objetivo começou a ser desenhado para o personagem, que parece cumprir o lugar do Lupo (Hop) na história, ao mesmo tempo em que Ash seria o protagonista dos jogos.

Sobre Ash, vê-lo interagir mais com o Leon, seja o admirando ou lutando ao seu lado e provando a sua força, foi muito bom. Contudo, a sua participação deixou muito a desejar. Claro que o seu papei foi importante, mas de novo se voltou mais para batalhas rápidas e simples, só o que parece saber fazer atualmente. O herói esteve quase que completamente por fora de todo o enredo e aprofundamento da lenda de Galar, o máximo de imersão na construção da história de Sword & Shield, nos primeiros episódios do arco, foi a possível referência ao almoço com o Rossi em Hulbury. Pelo menos, um ponto positivo do personagem foi o seu senso de justiça e a bondade novamente em relevância, características marcantes dele.

Acompanhar o desenvolvimento da Sônia foi um dos pontos altos do arco. Deu para notar toda a sua evolução no sonho de se tornar uma professora, visto que demonstrou ter bastante inteligência, pesquisas e dedicação. Gerou momentos engraçados pelo seu jeito animado e apressado, principalmente com o carro, mas também mostrou uma personalidade bastante amável. O anime apresentar a sua relação passada com o Leon tornou tudo ainda mais rico, principalmente ao ser dito que ela foi a primeira quem o instruiu nas batalhas e procura se destacar da sua própria forma. 

A interação da Sônia com Roy (Raihan) também foi interessante, ver o líder disposto a ajudá-la e a defender o seu ginásio, mas isso gerou certo incômodo por parecer somente uma forma de evitar a presença de Yamper. Infelizmente, a participação de Roy no arco foi irrelevante, literalmente só serviu para salvar a Sônia, dando a entender que ela não tinha nenhum Pokémon, o que talvez seja uma realidade no anime, mas pode ter sido uma estratégia para não mostrar seu Yamper, visto que o Pokémon tem o seu destaque na atual série dentro da família do Professor Cerejeira. É estranho ver a professora sem o seu tão marcante companheiro Pokémon. Ainda vale mencionar que o líder de ginásio se mostrou bastante interessado pela beleza dela, mas Sônia não foi nem hostil, nem pareceu ficar tímida ou atraída por Roy. Seria esse um possível futuro ship canon? Sou suspeito para comentar por ser devoto ao Lionheartshipping (Leon x Sônia), que inclusive teve grande desenvolvimento, possuí mais química e ganhou cenas adoráveis nesse arco.

E justamente ele, Leon, que ganhou um bom destaque também nessa sequência de episódios. O campeão continuou a mostrar a sua força e o seu heroísmo, justificando o porquê de o povo de Galar gostar tanto dele, pois não é simplesmente um treinador forte, ele se preocupa com cada pessoa e Pokémon ao seu redor, quer tranquilizá-los e mantê-los a salvos. Não somente limitado às batalhas Leon ficou, pois foi interessante ver a desconfiança surgindo em relação àquele que fez dele um prodígio, Rossi, começando até a investigar por conta própria para ter certeza de que não tinha nenhum envolvimento com o que acontecia.

Por meio da Magnólia que o anime explicou de forma bem clara todas as grandes dúvidas sobre o Dinamax/Gigamax: a questão dos Pontos de Poder que ditam onde ocorrerá o fenômeno, a forma como liberam o potencial interno do Pokémon por meio das partículas Galar e a criação dos Braceletes Dinamax para o controle dessas gigantificações. Tudo foi muito bem esclarecido, além de podermos conhecer essa séria, adorável e dedicada professora.

Ainda sobre personagens retratados, Rossi se mostrou um vilão obcecado por seus objetos, frio e até muito doentio. Faria o que fosse preciso, inclusive tirar vidas, para liberar toda a energia possível por Galar. O motivo por trás do seu objetivo ajudou a enriquecer o personagem, sendo o trauma com o pai. Outro ponto relevante foi o desfecho diferente dos jogos, sem que o vilão tenha terminado preso, dando a entender que em algum momento Rossi reaparecerá.

Em contraponto, ainda que seja a sua secretária e o seguiu até o fim, é interessante notar como, por baixo de todo o mau humor, Oleana pelo menos demonstrava preocupação pelas pessoas. Mesmo assim, foi possível ver o seu lado controlador e um pouco psicótico. Sobre ela, ainda vale destacar que tiraram o seu reconhecido Garbodor Gigamax e deram para um dos funcionários que seguiam as suas ordens, assim como o Copperajah de Rossi também não atingiu a forma usada nos jogos, talvez por acharem que a batalha contra os protagonistas não ficaria legal usando Dinamax.

A primeira aparição de Zacian e Zamazenta também foi fiel aos jogos, sem que fossem reais alvos dos protagonistas, sob um aspecto mais místico, misterioso e intangível. Ao voltarem mais no final do arco, renderam belas cenas para o último confronto, além de as transformações e os ataques em si terem sido mostrados belissimamente. Isso sem citar a espada e o escudo igualmente bem caracterizados e importantes na trama para que alcançassem a forma mais poderosa. Acho que ainda irão aparecer no anime, com mais chances até do que Eternatus, mas não tenho certeza se os desejos de Ash e Goh irão se realizar. Pelo menos, imagino que se o segundo capturar Zamazenta, mesmo com uma batalha, seria mais do que justo se o primeiro também acabasse tendo Zacian em seu time.

Todo o clima sombrio e monstruoso ao redor de Eternatus criou uma atmosfera bem legal em torno desse Pokémon, que realmente parecia carregar a ideia de fim dos tempos. Até mesmo a sua animação foi diferenciada em relação aos outros Pokémon. Seu poder surpreendeu a todos os treinadores que puderam o presenciar e virou um grande desafio que exigia força e coragem para que alguém conseguisse selá-lo. Tudo apenas se intensificou com a forma final, Eternamax, apesar de precisar admitir que o desfecho dessa batalha decisiva acabou sendo bem corrido. No fim das contas, ter sido selado pareceu um final injusto, visto que ninguém deu uma chance para esse Pokémon aprender a lidar com o mundo, somente foi abusado, embora seja sábio mantê-lo preso até que se pense em uma forma de viver sem representar perigo.

A respeito do Lendário selado, entra a questão da captura. Foi muito interessante ver Leon tentar capturar Eternatus com uma Ultra Bola, algo que é justamente o que falta para o Goh. Mesmo que poderosos Pokémon possam ser capturados com Poké Bolas simples também nos jogos, a probabilidade é muito baixa, não custaria nada dar umas Ultra Bolas para o novo protagonista, nem que começassem pela Grande Bola (Great). E a grande discussão desse arco: de quem é Eternatus? Em meio a toda divergência se é só do Goh, dele e do Ash ou de nenhum dos dois, preciso afirmar que sim, Eternatus é um Pokémon do Goh. De fato, o Ash ajudou na hora da captura, mas a Poké Bola era do outro herói, portanto, o Pokémon é somente dele, mas, claro, o mais provável é que nunca chegue a usá-lo, ou somente quando puder ser "domado".

Existiu ainda uma teoria sobre Giovanni intervir no arco, por conta do final do primeiro desses quatro episódios, revelando um sorriso de um antagonista muito semelhante ao do chefe da Equipe Rocket. Porém, acho que não existem muitos motivos para aprofundar isso, além de nem fazer tanto sentido que ele entrasse na trama, embora deva admitir que o anime tem mais liberdade para caso quisesse fazer algo do tipo. Ainda assim, foi interessante ver que o vilão tinha conhecimento do Eternatus, tanto que mandou o quarteto atrapalhado investigar, gerando o surgimento do Meowth Gigamax. Aliás, faz bastante sentido que o Meowth do quarteto seja Gigamax ao invés de Dinamax, já que o único capaz de fazer isso no jogo é um que não pode evoluir. No final das contas, não tiveram participação relevante na trama, é até estranho que Giovanni soubesse do potencial Pokémon ali e não mandou uma equipe de Elite. A real função do quarteto no arco foi somente apresentar o Meowth Gigamax.

No que diz respeito aos confrontos particulares mais importantes dos protagonistas, a batalha do Goh soou um pouco forçada e muito repetitiva. Raboot passou todo o confronto recebendo danos seguidos de ataques aquáticos, sem nem conseguir atingir golpe algum. A questão não é a forma como ele venceu, foi boa, mas a resistência absurda que demonstrou ter. Entretanto, a batalha do Ash foi ótima, porque houveram estratégias de ambos os lados, uma quantidade legal de golpes executados e mais tempo de desenvolvimento. Nisso, surgem as evoluções, ambas muito emocionantes. Particularmente, acho que a do Riolu foi mais por ver como queria proteger o seu treinador e Pikachu, mas Raboot tem seu igual mérito, trazendo a conexão antiga criada com Goh ao resolverem as suas divergências no passado e formarem um laço mais forte. Inclusive, vale destacar que a personalidade do coelho como Cinderace já mudou, deixando de ser um "adolescente rebelde" para se tornar um "adulto fofo"? Talvez possa descrever assim.


CONCLUSÃO

O arco de Sword & Shield foi excepcional! Se por um lado os acontecimentos foram corridos, o enredo foi bem desenvolvido e deu espaço para vários pontos marcantes dos jogos e que, certamente, também se tornaram marcantes no anime. Os locais e a história de Galar foram muito bem adaptados; ter Leon e Sônia ao lado de Ash e Goh foi legal e permitiu dinâmicas interessantes; a evolução da Sônia para virar professora foi um dos pontos altos, além do heroísmo e preocupação de Leon com o povo de Galar, e o passado de ambos. Magnólia finalmente foi apresentada e teve um papel fundamental de instrução sobre o Dinamax; Rossi e Oleana ganharam bastante destaque mostrando toda a ambição e obsessão do presidente pela energia, além de ter um pouco do passado revelado, e a devoção da assistente; e toda participação de Zacian e Zamazenta foi muito fiel aos jogos, protagonizando cenas lindas, assim como o tenebroso Eternatus, os quais tem aberturas o suficiente para retornarem nos futuros episódios.

O desenvolvimento do Goh nesse arco foi enorme, teve participação direta na história o tempo inteiro, ganhou o Bracelete Dinamax e utilizou o fenômeno pela primeira vez, recebeu a ideia de futuramente ser um Professor Pokémon e capturou o seu primeiro Lendário, mesmo que não tenha permanecido com ele. Inclusive, sobre Eternatus, ficar eternamente preso na Poké Bola é um destino cruel, mas acredito que Magnólia e Sônia pensarão em uma forma de diminuir o seu perigo para que possa conviver normalmente no Mundo Pokémon. Também ocorreu a boa batalha entre Ash e Rossi, que gerou a evolução emocionante, assim como a de Raboot, de Riolu. No caso do coelho de Fogo, também foi possível notar a sua mudança de personalidade. E o presidente não foi preso, diferente dos jogos, o que dá margem para que volte a aprontar algo no anime.

Do ponto negativo, tem a participação mínima de Roy, que pareceu somente suprir a não inserção de Yamper ao lado da Sônia; a demora para Ash realmente ter um papel relevante na história, ficando por um bom tempo preso a batalhas rápidas e não desenvolvidas; o confronto pouco aproveitado do Goh contra Oleana; e o interesse do Giovanni sem que realmente tenha se empenhado para conseguir pôr as mãos em Eternatus. A Equipe Rocket realmente apenas serviu para mostrar Meowth Gigamax.

Depois dessa análise gigantesca, gostaria de saber de vocês. Qual a sua cena preferida desse arco? Mudariam algo? Qual das evoluções mais os emocionou? E o que esperam para Galar a partir de agora?


Leia Também:

Sobre Ersj
19 anos, Recife-PE, tem Pokémon como a sua franquia preferida desde os 7 anos. Sua mídia favorita é o anime, seguida dos jogos da saga principal e de Pokémon Go. Ama livros e séries, principalmente de fantasia; os filmes que mais assiste são animações, e “Imagine Dragons” é a banda pela qual tem maior apreço. Seu Pokémon predileto é o Pikachu e seu maior sonho é se tornar um escritor.
E-mail: ersj@pokemothim.net

10 comentários:

  1. Foi um arco muito, só acho que deveria ter sido menos corrido.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado por deixar a sua opinião! ^-^

    ResponderExcluir
  3. Mateus Cosme17/02/2021 15:47

    Bom texto! Eu gostei do arco, mas pessoalmente poderia ser melhor, o arco passou a sensação de ocorrer por ocorrer; não teve qualquer construção em episódios anteriores, quando digo construção, não precisava ser nada muito grande, mas sê simplesmente tivessem reservado poucos segundos nos episódios anteriores que sê passaram em galar, só para mostrar que o Rose estivesse fazendo algo ficaria melhor; como a equipe galáctica que sempre apareciam no decorrer de dp.
    Claro talvez isso só seja o reflexo do que jornadas é; uma série extremamente episódica; onde sê vc ignorar as capturas mais "simples" do Goh e o rank do Ash, vc poderia ver muitos episódios fora de ordem que não afetaria em quase nada seu entendimento, (não estou dizendo que a natureza episódica é ruim, só que pessoalmente não me encanta a sensação de ver um episódio essa semana que não parece ter nada a ver com o último, como o Ash que pega um Pokémon em um episódio, e no próximo some)
    E isso sê refletiu no arco de SS na minha opinião, a participação do Ash ficou jogada nesse arco, enquanto o Goh resolveu a maioria da história com dicas da Sônia, o Ash não derrotou um pokemon Dinamax sem a ajuda do Leon, as batalhas foram corridas, extremamente, mas isso é problema de jornadas em geral; outra coisa que me incomodou foi a falta dos outros personagens de Galar; a crise de Galar ocorreu nela toda, então mostrar um frame dos líderes de ginásio resolvendo os problemas da sua cidade não mataria ninguém, só um frame deles derrotando um Dinamax fora de controle estava bom.
    Conclusão: um arco bom de assistir sê vc ver ele como algo separado como um "filme" que aconteceu dentro do anime e pronto.

    ResponderExcluir
  4. Muito obrigado! Acredito que isso que citou, de não ter tido uma construção anterior, encaixa-se bem na ideia da pressa, foi tudo muito rápido, seja para iniciar ou concluir esse arco. E concordo que a causa seja esses episódios soltos, inclusive também não gosto pelos mesmos motivos que você. :/
    Sobre Ash, infelizmente, também não gostei da participação dele. Fiz até uma postagem sobre isso recentemente, pois, para mim, o Ash de Jornadas tem sido o pior em termos de aproveitamento. Ele só faz batalhar, e, mesmo assim, as batalhas são, no geral, rápidas e pouco desenvolvidas, mas todos aplaudem por ele estar usando "Pokémon fortes". Já o Goh, eu acredito que ele ajudou mais a Sônia do que o contrário, esse é até um ponto negativo, na minha opinião, já que parece diminuir os créditos dela como pesquisadora e nova Professora, mas acabei não citando na análise por já estar muito grande e mesmo assim ter gostado do desempenho dela.
    Ah, a respeito dos líderes, eu também citaria isso na análise, mas me lembrei de Alola. Infelizmente também, é algo muito recorrente em Pokémon. No arco do Necrozma, o anime só mostrou os Kahunas que já haviam aparecido antes daqueles episódios. A Hapu (Lélia), por exemplo, que ainda não tinha estreado, ficou totalmente de fora. Por isso, achei que, apesar de ser algo que esperava, os líderes, é uma atitude comum do próprio anime. E a Bea deve não ter aparecido por estar fora de Galar.
    Bem, muito obrigado por deixar a sua opinião! Adorei ler tudo o que achou, gosto de comentários grandes e elaborados. rsrsr ^-^

    ResponderExcluir
  5. Mateus Cosme17/02/2021 17:15

    Isso, concordo com tudo que vc disse, no final das contas acho que pessoalmente eu gosto mais de Pokémon quando é uma jornada grande que vai de cidade em cidade, com um nítido senso de progressão do que "rolezinhos aleatórios", eu gosto de ver outras regiões mas ao mesmo tempo sinto como sê a premissa dos episódios que sê passa nelas, poderia passar em uma grande jornada em galar fácil, o fato do Ash e do Goh simplesmente chegar no local por meio de avião e no final do episódio já ir embora, me tira um pouco do ar cativante de uma aventura, e isso acaba refletindo nos arcos, eu acharia divertido o Goh e o Ash viajando e descobrindo os mistérios de Galar aos poucos, não só chegar e resolver tudo, ( também fiquei mal pela Sônia, ela só serviu de degrau para mostrar o quão inteligente o Goh é).
    No final das contas diria que jornadas é mais como um estranho "slice of life" de Pokémon do que uma "aventura", não ruim e interessante, mas definitivamente um anime que divide muitas opiniões.

    ResponderExcluir
  6. Sim! Chega a ser engraçado, porque um dos principais comentários feitos sobre a atual série é como ela saiu da mesmice de todas as outras, com as jornadas em uma única região. Mas, eu achava isso tão fantástico! Cada região é única, com personagens únicos, Pokémon únicos e aventuras únicas. Não é como se em toda série o Ash refizesse o percurso por Kanto. Sentirei falta dessa dinâmica de ir conhecendo cada lugarzinho das novas regiões, mas, bem, reclamar não parece que vai mudar muita coisa, eu apenas sinto muito por essa perda. :(

    Eu não conhecia essa expressão, "slice of life", mas a pesquisa sobre valeu muito a pena. kkkkk Acho que o termo se encaixa bem, por sinal. Novamente agradeço pelo comentário!

    ResponderExcluir
  7. Luis Eduardo Treve Nunes25/02/2021 18:20

    Bom espero que tenha outros episódios com Zacian e Zamazenta

    ResponderExcluir
  8. Também! E agradeço pelo comentário! ^-^

    ResponderExcluir
  9. Helivania Barros Texeira18/04/2021 11:28

    gente vomo acha o episódio 45

    ResponderExcluir
  10. Na área das multimídias dos episódios legendados.

    ResponderExcluir

Seu comentário será publicado após ser aprovado pela moderação.
Agradecemos a sua participação!

A Pokémothim com a sua cara!

Personalize do seu jeito!

Temas

Padrão

Fechar