logo

Pokémothim

Incoerências do Ash: Abandonos


Olá, Thunders!

Depois de uns probleminhas, a série está de volta e com um tema bastante debatido entre os fãs. Tema esse que tem se tornando ainda mais presente com a proposta do novo anime e o último episódio de Sol & Lua, os "abandonos" feitos pelo Ash.

Gostaria que dessem uma chance ao entendimento do conteúdo e à explicação, que, apesar de não ser uma resposta oficialmente passada por alguém por trás do anime, está fundamentada com a lógica aparente da franquia. Além disso, a intenção não é mostrar que todos devem gostar do personagem, apenas que alguns argumentos usados contra ele não se sustentam.


Pokémon Libertados



Antes de tudo, é preciso falar de dois Pokémon que não foram libertados, mas também não se encontram na mesma situação que os demais do treinador de Pallet, pois são classificados como "em treinamento". Assim, Primeape foi deixado nessa condição com Anthony, um treinador de monstrinhos do tipo Lutador, após vencer o Grande Prêmio Pokémon Número 1, no episódio "O Pokémon Lutador", sob o objetivo de se tornar um grande Pokémon da sua tipagem. Ainda apareceu em uma recordação do Ash e em quatro aberturas, mesmo que não tenha sido pego de volta, até então.

O outro caso foi o do Squirtle, no episódio "Os Soldados de Fogo", no qual o do Ash reencontrou o seu antigo esquadrão e se juntou a eles no Grande Prêmio de Resgate e Combate ao Fogo, aonde enfrentou o Batalhão Wartortle. Ao final da competição, os iniciais de água apenas venceram granças ao líder, o que faz o Ash permitir que o seu Pokémon se juntasse aos quatro companheiros e continuasse a fazer o trabalho de "bombeiro" ao lado da Policial Jenny. Além disso, ele voltou para a Conferência de Prata e no último desafio da Batalha da Fronteira, apareceu em uma memória do protagonista e foi fotografado durante a série Sol & Lua, pelo Rotom Dex.


A primeira libertação do Ash ocorreu, de fato, no episódio "Adeus, Butterfree", no qual, após ajudar o seu Butterfree a conquistar uma pretendente, durante a Estação do Amor, o protagonista permitiu que o seu primeiro Pokémon capturado partisse para poder ter uma família. Depois disso, a borboleta voltou a aparecer em "Achado Não É Roubado", ainda na forma de Caterpie, enquanto os heróis contavam sobre as suas primeiras capturas.

Em "O Experiente e os Amadores", Ash contou a Aaron sobre a sua jornada com Butterfree e revelou que gostaria de saber como ele está; em "Butterfree e Eu", a mesma história foi contada, mas, dessa vez, para Cilan e Iris, ao decidirem ajudar um Caterpie a chegar ao estágio final; em "Alola, Kanto", o Pokémon foi mostrado nas lembranças do trio inicial de protagonistas; e outra aparição diferenciada foi na primeira cena da abertura da nona temporada, junto a todos os outros que o jovem havia capturado até o momento. 


A caminho das Ilhas Laranja, em "Uma Festa de Arromba", os protagonistas encontraram o grupo de Spearow que perseguiu o Ash no primeiro episódio e descobriram que os Pidgey e os Pidgeotto estavam sendo machucados por ele, o que faz o pássaro do protagonista assumir a liderança e evoluir para Pidgeot, na intenção de proteger as suas pré-evoluções. Para garantir que Fearow e os seus "capangas" pré-evoluídos não retornassem, o pássaro se separou do treinador, mas com a promessa de ser resgatado posteriormente.

No episódio "Ash Ganha a Insígnia Zefir", ao conhecer o Pidgeot do líder de ginásio Falkner, o protagonista relembrou sobre o seu e retomou a promessa de pegá-lo um dia; em "Uma Reunião Acalorada", em Unova, foi visto como Pidgeotto em um dos flashbacks do Ash, quando recordou do momento em que se protegeram do frio para sobreviverem em uma montanha congelada; também foi visto na primeira cena da abertura da nona temporada e, talvez, tenha sido o fotografado pelo Rotom  Dex, em "Alola, Kanto".


Lapras deixou o seu treinador em "Viva las Lapras", quando reencontrou o seu grupo e juntos enfrentaram piratas que queriam os capturar. Com a situação resolvida, o filhote se juntou a sua mãe, com o apoio do Ash, e partiu com a sua família. Porém, no episódio "Lapras de Luxo", os heróis reencontraram o cardume e se depararam com o Lapras do protagonista já adulto, durante os estudos da pesquisadora Naomi. Depois de acabarem com mais um plano da Equipe Rocket, o do garoto de Pallet se tornou o líder, devido ao heroísmo, e, mais uma vez, despediu-se do treinador. Por fim, em "A Gente se Vê Depois", esteve em algumas das lembranças da Misty.


Goodra saiu da equipe do Ash no episódio "Além do Arco-Íris", um pouco depois de ter salvo o pântano das garras da Equipe Rocket, aonde morou ainda quando era um Goomy. O seu próprio treinador sugeriu que ficasse no local, por lembrar que o Pseudo-Lendário ficou mais forte justamente com a intenção de salvar o pântano. Um pouco depois, em "Um Diamante Bruto", a caminho da Liga Kalos, os protagonistas visitaram o local e reencontraram o Pokémon liberto, situação em que o herói notou o grande líder que Goodra se tornou e, juntos, derrotaram mais uma vez a equipe vilã e resolveram um problema envolvendo alguns Carbink.

O Pokémon Dragão voltou a fazer uma aparição especial no episódio "Uma Experiência Valiosa para Todos", no qual o Ash revelou ter pedido para ele ser o seu sexto Pokémon nas batalhas completas da liga, e Goodra chegou ao estádio; em "Análise Versus Paixão", ele foi motivado pelo treinador, antes da semifinal, junto ao resto dos seus companheiros; no episódio "Uma Firme Rivalidade", enfrentou o Slurpuff do Sawyer, em uma batalha que terminou empatada; já em "Paixão da Liga Kalos com Certo Charme", foi visto descansando com os amigos para a batalha final, que participou em "Um Final Ardente", da qual saiu derrotado por um Bisharp.

No arco final da jornada em Kalos, em "Aquisição de uma Torre", Goodra foi preso junto ao seu treinador e os demais Pokémon dele, por Lysandre, mas se soltaram em "Afastando-se dos seus Sonhos", e iniciaram uma batalha contra o vilão; no episódio "O Herói Certo para o Trabalho Certo" tentou derrotar um Mega Gyarados, mas foi nocauteado; Em "Batalhando com um Novo Começo", foi mostrado se divertindo junto aos amigos, pouco antes de se despedir novamente em "Encarando a Necessidade de Muitos", quando foi devolvido ao pântano; e no episódio "Até Nós Competirmos de Novo" foi visto cumprindo o seu papel de liderança, nas cenas finais.


"Encarando a Necessidade de Muitos" foi o episódio em que Greninja se despediu do Ash, ao ser dito pelos Zygard que ele era o único capaz de localizar e destruir as vinhas carregadas negativamente e espalhadas por Kalos, como consequência do ataque do Lysandre. Assumindo o papel de herói, o inicial evoluído aceitou a missão dada a ele e saiu da equipe, mas sob a promessa de retornar ao concluir o seu papel na região. Além disso, em "Até Nós Competirmos de Novo", foi mostrado cumprindo o dever atribuído a si, sob o olhar dos dois lendários.


O último a deixar o grupo do Ash foi Poipole, no episódio "Protegendo o Futuro", no qual, após carregarem Necrozma com luz e verem o lar dos Poipole e do Naganadel ser reinstaurado, decidiu ficar com a sua família para proteger o seu lar. Em "A Invasão de Guzzlord! Uma Grande Batalha de Z-Moves", retornou evoluído e salvou o seu treinador do ataque de um Guzzlord, além de ter se juntado ao Professor Nogueira para utilizar o Movimento Z Gigavolt Destruidor, ao lado de Ash e Pikachu, o que os permitiu tirar a Ultra Criatura inimiga de Alola.

A Ultra Criatura do protagonista ainda apareceu em mais episódios após ter ganho a liberdade: em "A Batalha Final! Ash Vs Nogueira", aceitou ser o sexto Pokémon do Ash para a batalha de exibição da Conferência Manalo; em "Uma Flamejante Batalha Completa", Naganadel foi colocado em campo e impressionou os espectadores da liga, começando e ganhando a batalha contra o Lucario do Nogueira no episódio seguinte, "Conclusão! Incineroar Vs Torracat". Por fim, em "O Mais Poderoso Z de Alola! Tapu Koko Vs Pikachu", cansou o Lendário Tapu Koko, apesar de não ter conseguido derrotá-lo, e, posteriormente à conclusão da batalha de exibição, em "O Sol, a Lua e os Nossos Sonhos", deu adeus ao Ash e voltou para o seu mundo.


Motivações



É comum explicarem as libertações para a natureza como sendo por ausência de inteligência ou por gosto pela atividade por parte do treinador, argumentos sem lógica, apesar de serem usados com uma frequência considerável. Se o contexto da despedida e o desenvolvimento do Pokémon forem levados em conta, muito além do próprio ato, fica perceptível que, assim como o garoto de Pallet, os seus Pokémon, geralmente, assumem o papel de liderança e exercem uma função grandiosa.

Ao perceber que o seu Butterfree teria que ser libertado para que pudesse seguir com a sua amada e ter filhotes, Ash ficou bastante tocado, mas não quis prender o seu Pokémon consigo só para evitar o sofrimento, não seria justo com aquele que foi o seu primeiro monstrinho. A maior prova disso foram os seus sussurros chorosos, "seja muito feliz", ao observar a borboleta se distanciar.

Greninja ganhou o papel de proteger Kalos do mal que ainda havia restado, algo que o treinador não podia o impedir de fazer, principalmente depois da batalha contra Lysandre que provou o quanto o inicial evoluído estava pronto para assumir a função de herói. A despedida foi para um bem muito maior do que algo pessoal para qualquer um dos dois, por dizer respeito à salvação de inúmeras pessoas de uma região.

Os demais assumiram as já mencionadas lideranças: Pidgeot foi deixado para proteger os Pidgey e Pidgeotto dos Spearow e Ferow que causaram problemas desde o primeiro episódio, após o Ash notar como o seu Pokémon se importava com as pré-evoluções e até chegou a evoluir para salvá-los; Lapras voltou para o seu cardume por ser um filhote e querer estar com a mãe, algo compreensível para o treinador, que o treinou bem o suficiente para que assumisse a liderança, posteriormente; Goodra se tornou forte ao lado do garoto, sempre com a intenção de proteger a sua terra natal, algo lembrado pelo próprio protagonista, que viu como o Dragão seria mais feliz assumindo esse papel; e o próprio Naganadel, ainda como Poipole, pediu para ficar junto aos outros da espécie para protegê-los, intenção justa para o jovem, que aceitou sem relutância, apesar de muito triste, e, possivelmente, a Ultra Criatura agora é o grande protetor do local.

Em todos os casos o Ash se mostrou bastante abatido com a ideia de deixar um companheiro partir, tanto que só não chorou na despedida do Pidgeot e do Lapras, apesar de claramente ter ficado triste também com o adeus dado a esses dois. A respeito dos Pokémon, sofreram da mesma forma e muitos até choraram, pois amam de verdade o treinador que tiveram, mas sabiam que havia uma função importante para desempenharem, seja ela para a construção de uma família, a salvação de um povo ou a proteção dos seus semelhantes.

Mais uma vez reforço que o anime mostra muito a autonomia dos Pokémon e, principalmente, o respeito. Em momento algum o Ash libertou os seus monstrinhos simplesmente porque sim, ou ele notava como o ato os faria mais felizes, ou por ser um motivo que vai além do seu desejo de estar ao lado deles. Portanto, é uma questão de sofrer pelo bem do próximo, pois ele quebra o pensamento de os seus Pokémon serem criaturas que devem servir a si, e propaga que possuem uma relação equivalente, de companheirismo e alteridade.


Resgates



Mesmo que tenha dito que gostaria de ver Buttefree, Goodra, Lapras e Naganadel novamente, é muito difícil que esses quatro retornem para a equipe do herói. Depois que os filhotes da borboleta crescerem, ela poderia até voltar a ver o Ash, mas acredito que a maior possibilidade de ficarem juntos seria se a fêmea decidisse morar com ele no laboratório do Professor Carvalho, ou fosse capturada também; para os outros três, acredito que apenas retornariam se um novo líder assumisse o papel deles e sentissem que poderiam não mais se preocupar em cuidar dos outros Pokémon. Gostaria muito que isso acontecesse, mas acho extremamente difícil.

Sobre Pidgeot, Ash prometeu resgatá-lo, mas não necessariamente quando voltasse das Ilhas Laranja, como foi dito na dublagem, tanto que em Johto o garoto relembrou da promessa. Provavelmente, em algum momento, o pássaro regional de Kanto retorne para a equipe do treinador, mas na mesma condição dos outros citados, quando um novo líder ocupar o seu lugar. Enquanto Greninja é o segundo com a promessa de voltar ao time, mas somente quando terminar a sua missão em Kalos. Para os dois casos, vale lembrar que ainda não se passou um ano dentro do anime Pokémon, ou seja, não faz tanto tempo que estão longe do Ash, mas esse foi um tema já discutido em outro post.

Ainda vale mencionar o resto da equipe de Alola, que ficou na região. Eles ainda são Pokémon pertencentes ao Ash que podem ser pegos por ele sempre que for possível contatar o Professor Nogueira, ou seja, funcionam igualmente aos que estão com o Professor Carvalho. Não foram libertados, portanto, não se enquadram junto aos demais mencionados anteriormente.


Conclusão



O Ash nunca abandonou um Pokémon, ele os libertou em prol da felicidade deles, antes mesmo de pensar na sua. Isso fica evidente não apenas pela reação do protagonista ao cogitar a libertação e pelo quase sempre presente choro, mas sim por meio das palavras ou pensamentos finais que faz, pelas lembranças que invadem a sua mente e as menções feitas em outras ocasiões desses marcantes companheiros que já possuiu. Outra prova são os próprios libertos, que também acham dolorosa a partida, mas guardam os ensinamentos do treinador e seguem suas vidas como monstrinhos de ótimo caráter, tanto que muitos viraram líderes, também um herói ou pai de família.

Mesmo que somente PidgeotGreninja estejam sob a promessa de retornarem para a equipe do garoto de Pallet, com a nova temporada do anime, é muito possível a reaparição de alguns, se não todos. Ainda que fizessem breve participações, só para o Ash matar a saudade, seria um grande presente para todos os fãs da animação televisiva.

Por fim, apenas trago o debate do respeito novamente, pois, com base nele, o personagem Ash toma grande parte das suas decisões. Quando se quer alguém feliz, mesmo que isso signifique estar distante da pessoa, ou Pokémon, deve se fazer o possível para ajudar, ainda que doa, essa é a mensagem que acredito ser passada com as libertações, comumente chamadas de abandono. Garanto que o protagonista ama demais cada um desses companheiros, até porque, como ele disse ao se despedir do Greninja, "a verdade é que nunca estaremos separados", e tenho certeza de que é exatamente assim que ele se sente, guardando cada um dos libertos em seu jovem coração.


Obrigado pela leitura! Não sei como reagem as despedidas, mas, particularmente, eu chorei bastante só em reassistir esses episódios para preparar o post. Qual Pokémon livre que pertenceu ao Ash mais gostaria de ver retornando para o treinador? E qual a despedida que te deixou mais triste?


Leia Também:
Sobre Ersj
19 anos, Recife-PE, tem Pokémon como a sua franquia preferida desde os 7 anos. Sua mídia favorita é o anime, seguida dos jogos da saga principal e de Pokémon Go. Ama livros e séries, principalmente de fantasia; os filmes que mais assiste são animações, e “Imagine Dragons” é a banda pela qual tem maior apreço. Seu Pokémon predileto é o Pikachu e seu maior sonho é se tornar um escritor.
Email: ersj@pokemothim.net

Comentários

Nós da Pokémothim, gostaríamos de agradecer os comentários/sugestões feitos e dizer que eles nos ajudam a melhorar significativamente a qualidade do nosso trabalho, sem falar que é a melhor forma de contato que temos com você.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após ser aprovado pela moderação.
Agradecemos a sua participação!

A Pokémothim com a sua cara!

Personalize do seu jeito!

Temas

Padrão

Fechar